Capacitação em Prevenção e Posvenção do Suicídio

EMENTA DO CURSO DE PREVENÇÃO E POSVENÇÃO DO SUICÍDIO

16 e 23 de março/2019

Horário: 8h às 17h

Local: Carioca Offices - Auditório Business. Avenida Vicente de Carvalho 909, torre 1, 2º andar, Vila da Penha, Rio de Janeiro/RJ.


1. Público Alvo:

Esse curso é destinado a alunos e profissionais de todas as áreas interessados em aprender ferramentas de prevenção e posvenção do suicídio.

2. Modalidade: Presencial

3. Carga Horária Total do Curso: 16 horas

4. Número máximo de vagas oferecidas: 40

5. Preços promocionais:

  • Em fevereiro: R$150,00.
  • Março até o dia 11/03: R$200,00.
  • Alunos têm 10% de desconto!

 

6. Equipe de docentes por ordem alfabética:

 

Carmen Cortes Furtado

Psicóloga e Mestre em Saúde Pública pela Fundação Oswaldo Cruz, FIOCRUZ.

Pesquisadora colaboradora do Grupo de Estudo e Pesquisa em Suicídio e Prevenção

Registro no CRP- RJ: 05/39429

E-mail: carmenfurtado@gmail.com

Lattes: http://lattes.cnpq.br/5608580783759803

 

Dayse Miranda

Doutora em Ciência Política pela USP, professora, pesquisadora e coordenadora do Grupo de Estudo e Pesquisa em Suicídio e Prevenção - GEPeSP

Membra da Associação Brasileira de Estudos e Prevenção de Suicídio – ABEPS

E-mail: dayse.miranda@gepesp.org

Lattes: http://lattes.cnpq.br/4642382292915049

 

Marcela Reis Psicóloga e mestre em Psicologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro- UFRJ

Pesquisadora colaboradora do Grupo de Estudo e Pesquisa em Suicídio e Prevenção

Registro no CRP- RJ: 05/22576

E-mail: marceladreis@gmail.com

Lattes: http://lattes.cnpq.br/8919486454664329

 

Rogéria de Almeida Silva Quintella

Psicóloga pela Universidade Federal do Rio de Janeiro- UFF.

Pesquisadora colaboradora do Grupo de Estudo e Pesquisa em Suicídio e Prevenção

Registro no CRP- RJ: 05/28.419

E-mail: rogeriaquintella@gmail.com

Lattes: http://lattes.cnpq.br/9171023424582198


Contextualização

O Brasil registrou 11.433 mortes por suicídio em 2016 – em média, um caso a cada 46 minutos. Essas cifras representam um crescimento de 2% em relação ao ano anterior, quando 11,178 pessoas tiraram a própria vida (SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE MORTALIDADE/MINISTÉRIO DA SAÚDE – SIM/MS). A taxa oficial de mortalidade por suicídio no Brasil, estimada em 4,9 por 100.000 para a população geral em 2007, chegou a 5,8 por 100.000 habitantes no ano de 2016. Entre homens, a taxa de suicídio a cada 100 habitantes chegou a 9,2. Trata-se de um aumento de 28% em uma década. Entre as mulheres, a taxa é de 2,4 em 2016 (SIM/ MS).

A taxa de morte por suicídio é ainda maior na população indígena. Dados de saúde revelaram que entre indígenas a taxa é de 15 por 100 mil pessoas em 2016. Entre homens, a taxa chega a 23 por 100 mil; entre as mulheres, a taxa é de 7,7. Entre jovens e adolescentes indígenas, o problema é ainda mais grave: 45% dos suicídios indígenas ocorreram na faixa etária de 10 e 19 anos no mesmo ano.

No restante da população brasileira, o suicídio juvenil é um problema que merece destaque também. Dados recentes do Ministério da Saúde evidenciam que, entre jovens de 15 a 19 anos, o suicídio teve um aumento de 20%, entre 2011 a 2016. Atualmente, o suicídio representa a quarta causa de morte de 15 a 29 anos no país. Entre homens nesta faixa etária, é o terceiro motivo. Entre mulheres jovens, o suicídio ocupa a oitava causa mortis.

A magnitude desse fenômeno por si só justifica a realização de iniciativas (curso, workshop e capacitação) que deem visibilidade pública e política, bem como estimulem ações efetivas de prevenção e posvenção do suicídio. A prevenção visa reduzir os estressores que levam a um sofrimento agudo que culmina no suicídio. “A prevenção do suicídio não é uma tarefa simples, ela exige inúmeros esforços coordenados que devem considerar aspectos médicos, psicológicos, familiares, socioculturais, religiosos e econômicos” (BOTEGA, 2015, p. 248).

A Posvenção se refere à prevenção, ao luto e às atividades após a perda. A posvenção tem como objetivo atenuar o abalo da perda por suicídio e possibilita ainda a prevenção do sofrimento das próximas gerações (FUKUMITSU e KÓVACS, 2016). A Associação Brasileira de Estudos e Prevenção do Suicídio (ABEPS) defende que ações focadas na posvenção são eficazes na ajuda ao processo de luto e na redução em curto prazo do sofrimento psíquico associado ao luto dos sobreviventes de suicídio. [Acesso em 2018 jan 24]. Disponível em: http://www.abeps.org.br/posvencao/)


Objetivos

O curso de Prevenção e Posvenção do Suicídio visa oferecer noções básicas de prevenção do suicídio e as estratégias de intervenção com sobreviventes do suicídio. Nessa nova versão do curso, discutiremos experiências de prevenção em andamento e/ou concluídas em diferentes cidades brasileiras, como também os primeiros passos para se criar um grupo de apoia aos sobreviventes do suicídio. O curso buscará responder as seguintes questões:

 

  • O que chamamos por comportamento suicida?
  • Como identificar e avaliar uma pessoa sob o risco de suicídio?
  • Quais são os fatores de risco e proteção?
  • Como lidar e abordar pessoas sob o risco de cometer suicídio?
  • O que é a prevenção do suicídio? Como prevenir o suicídio? O que e como fazer no seu dia-a-dia?
  • O que é a posvenção do suicídio?
  • Quais são as consequências da morte por suicídios para os seus familiares e amigos?
  • Como ofertar acolhimento aos enlutados pelo suicídio? Como criar um Grupo de Apoio aos Sobreviventes do Suicídio?

Metodologia

Esse curso propõe analisar casos e estratégias que integrem teoria e prática. As aulas expositivas e as oficinas estão organizadas em dois encontros com 4 módulos. O primeiro encontro é composto por dois módulos. Neles, primeiramente, abordaremos conceitos e magnitude do suicídio. Também discutiremos sobre os grupos vulneráveis (Jovens/adolescentes; população jovem LGBT e Idosos): fatores de risco e protetivos. No segundo encontro, serão abordados conceitos e ferramentas de prevenção e de posvenção do suicídio segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). Nossa meta é ofertar as estratégias de prevenção acessíveis ao grande público, bem como discutir as formas de acolhimento dos sobreviventes durante o processo de luto por suicídio. Esses módulos serão conduzidos através de oficinas e rodas de conversas com os participantes e facilitadores do curso. Em síntese, buscaremos promover reflexões em torno dos instrumentos de prevenção e posvenção do suicídio que auxiliem o nosso público a lidar com o sofrimento emocional e psíquico das vítimas e de seus familiares antes e depois do ato suicida.


PROGRAMAÇÃO/CONTEÚDO

MÓDULO 1: O COMPORTAMENTO SUICIDA: DILEMAS E DESAFIOS (4h)

Profa. Rogéria Almeida

  • Apresentação do Curso.
  • Dinâmica 1: MITO OU VERDADE?
  • Violências autoprovocadas: o conceito.
  • O Mapa do Suicídio no Brasil e no Mundo o Fontes e Estatísticas de Suicídio no Brasil: podemos confiar?
  • Dinâmica 2: CARTA A SI PRÓPRIO

Intervalo – 15 minutos

 

MÓDULO 2: RISCO E AVALIAÇÃO (4h)

Profa. Marcela Reis.

  • Fatores de Risco para o suicídio
  1. Sociodemográficos
  2. Transtornos Mentais
  3. Fatores Sociais
  4. Fatores Psicológicos
  5. Acesso a meios letais
  6. Grupos vulneráveis: quem são?

 

  • Fatores de Proteção contra o suicídio
  1. Personalidade e estilo cognitivo
  2. Estrutura e Relações interpessoais na família
  3. Fatores sociais (níveis de sociabilidade)
  4. Qualidade e Estilo de Vida

Intervalo – 10 minutos

  • Avaliação
  1. Tipos de Risco
  2. Como avaliar o risco?
  • Oficina de Trabalho (30min)

 

MÓDULO 3: A PREVENÇÃO DO SUCÍDIO (4h)

Profa. Carmen Furtado.

  • Prevenção do suicídio: definições
  • Manuais e Planos de Prevenção do Suicídio segundo a OMS
  • O papel do Centro de Valorização da Vida na Prevenção do Suicídio (CVV)
  • Modalidades de Prevenção do Suicídio
  • Experiências Recentes de Prevenção do Suicídio no Brasil

Intervalo – 10 minutos

  • Oficina para a reflexão:
  1. Quais são os sinais de alerta que as pessoas em risco do suicídio costumam dar antes do ato?
  2. Como identificar e abordar a pessoa em risco de suicídio (baixo, médio e alto risco)?
  3. Para onde encaminhar uma pessoa em risco?

 

MÓDULO 4: POSVENÇÃO DO SUICÍDIO (4h)

Profa. Dayse Miranda

  • Posvenção do suicídio: definição (SHNEIDMAN, 1973)
  • O Luto por Suicídio
  • Quem são os enlutados por suicídio? O que pensam? Como se sentem?
  • Como os sobreviventes fazem para vivenciar o luto por suicídio?
  • As consequências das mortes violentas: existe diferença?

Intervalo – 10 minutos

  • Oficina de Trabalho: construindo futuras ações...
  • Como reduzir o impacto das consequências da morte por suicídio?
  • Como criar um grupo de sobreviventes do Suicídio?

 

  • Orientações para um acolhimento dos enlutados por suicídio efetivo e humano.
  • O papel do Centro de Valorização da Vida (CVV) na Posvenção do Suicídio
  1. O Grupo de Apoio aos Sobreviventes de Suicídio (GASS).


Inscrições: https://goo.gl/forms/GrHYIV1a7ji4oxDy1

Data: dias 16 e 23 de março de 2019.

Horário: 8h às 17h.

Carga Horária: 16 horas

Local: Carioca Offices - Auditório Business. Avenida Vicente de Carvalho 909, torre 1, 2º andar, Vila da Penha, Rio de Janeiro/RJ. Próximo ao Metrô e BRT de Vicente de Carvalho.

Pagamento: Após a inscrição, o aluno deverá depositar o valor na conta bancária do Instituto Vicente (CNPJ: 30.009.483/0001-56):

- Conta: 22987-7. Agencia: 3199. Banco Itaú.

Valores promocionais:

Até fevereiro: o valor da taxa é de R$ 150,00

Até março: o valor da taxa é de R$200,00.

Alunos de graduação têm descontos de 10%

Mais informações: (21) 3259-9888, (21)972202223 e (21) 96427-3941

E-mails: contato@gepesp.org e institutovicente2018@gmail.com.

 


Referências bibliográficas

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSIQUIATRIA - COMISSÃO DE ESTUDOS E PREVENÇÃO DE SUICÍDIO. Suicídio: informando para prevenir. – Brasília: CFM/ABP, 2014.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Prevenção do suicídio: manual dirigido a profissionais das equipes de saúde mental. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Área Técnica de Saúde Mental; Organização Pan-Americana da Saúde; Universidade Estadual de Campinas. Faculdade de Ciências Médicas. Departamento de Psicologia Médica e Psiquiatria. Brasília; Ministério da Saúde; out. 2006. 76 p.

BERTOLOTE, JM. O suicídio e sua prevenção. São Paulo: Editora Unesp, 2012.

____________, FLEISCHMANN, A. (2002). A global perspective in the epidemiology of suicide. Suicidology, 7(2), 6-8.

BOTEGA, N. J., N. J. Crise suicida: avaliação e manejo. Porto Alegre: Artmed, 2015. 302p.

__________ D’OLIVEIRA, CFA.; CAIS, CFS; STEFANELLO, S. Prevenção do suicídio:

Manual dirigido profissionais da saúde da atenção básica. Campinas: Unicamp, 2009.

__________ WERLANG, BSG; CAIS, CFS; MACEDO, MMK. Prevenção do comportamento suicida. PSICO/PUCRS. v. 37, n. 3, 2006, p. 213-220. CARVALHO, S. A Morte Pode Esperar? Salvador: Associação Científica Campo Psicanalítico. 2014. 150p.

CAVESTRO, J. M de, ROCHA, F.L. Prevalência de depressão entre estudantes universitários. J Bras Psiquiatr, 55(4): 264-267, 2006.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. O Suicídio e os Desafios para a Psicologia. Brasília: CFP, 2013. 152p.

CONTE, M et al. Programa de Prevenção ao Suicídio: estudo de caso em um município do sul do Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 17(8):2017-2026, 2012.

CZERESNIA, D. O conceito de saúde e diferença entre prevenção e promoção. In: ____________, Freitas CM (org.). Promoção da Saúde: conceitos, reflexões, tendências. Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz, 2003. p. 39-53.

DUTRA, Elza. Suicídio de universitários: o vazio existencial de jovens na contemporaneidade. Estudos e Pesquisas em Psicologia, vol. 12, núm. 3, septiembrediciembre, 2012, pp. 924-937. Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, Brasil.

FUKUMITSU, K.O. O psicoterapeuta diante do comportamento suicida. *Revista de Psicologia da USP*. São Paulo, v. 25, n. 3, 2014, 268-273. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_issuetoc&pid=0103656420140003&lng=pt&nrm=is o

__________ Suicídio e Luto: histórias de filhos sobreviventes. São Paulo, 2013.

__________ SCAVACINI, K. Suicídio e Manejo Psicoterapêutico em situações de crise: uma abordagem gestáltica. Revista da Abordagem Gestáltica - Phenomenological Studies – XIX(2): 198-204, jul-dez, 2013.

__________, SOUSA, F. B. de. (2015). O Cuidado como fator de proteção do suicídio. *Revista Brasileira de Psicologia*, 2(02), 28–32. Retrieved from http://wp.me/a4hcfF-NX

__________, Abilio, C. C. C., Lima, C. F. da S., Gennari, D. M., Pellegrino, J. P., & Pereira, T. L. (2015a). Posvenção: uma nova perspectiva para o suicídio Posvenção: uma nova perspectiva para o suicídio. *Revista Brasileira de Psicologia*, 2(02), 48–60. Retrieved from http://wp.me/a4hcfF-Ob

MIRANDA, D (org.). Por que policiais se matam? Rio de Janeiro: Mórula Editora, 2016.

MINAYO, MCS. (2005). Suicídio: violência auto-infligida. In: Secretaria de Vigilância em Saúde. Impacto da violência na saúde dos brasileiros. Brasília: Ministério da Saúde; p. 205- 23.

MILLAN, Luiz Roberto; ARRUDA, Paulo Corrêa Vaz de. Assistência psicológica ao estudante de medicina: 21 anos de experiência. Rev. Assoc. Med. Bras., São Paulo , v. 54, n. 1, p. 90-94, Feb. 2008 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104- 42302008000100027&lng=en&nrm=iso>. access on 19 Nov. 2018. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302008000100027.

PEREIRA, A.; CARDOSO, F. (2015). Ideação Suicida na População Universitária: uma revisão da literatura. Revista E-Psi, 5(2), 16-34.

M. S. Cassorla. Suicídio: fatores inconscientes e aspectos socioculturais: uma introdução. São Paulo: Blucher, 2017.

REZENDE, Carlos, H. A, de, et al. Prevalência de Sintomas Depressivos entre Estudantes de Medicina da Universidade Federal de Uberlândia. Revista Brasileira de Educação Médica. 32 (3) : 315 – 323 ; 2008.

SOARES, G, Miranda D. As vítimas ocultas do suicídio. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Preventing suicide: a global imperative. Geneva: WHO, 2014.