Uncategorized

Com Karina Okajima Fukumitsu, GEPeSP e Instituto Vicente realizam o curso Manejo do Comportamento Suicida


Por Ana Beatriz Ribeiro,
Jornalista e pesquisadora do GEPeSP.


Acolhimento para evitar o sofrimento existencial. Esse foi o principal ensinamento passado por Karina Okajima Fukumitsu, no último sábado (27), ao ministrar o curso Manejo do Comportamento Suicida, realizado pelo GEPeSP em parceria com o Instituto Vicente. A psicóloga e psicoterapeuta, pós-doutora pelo Programa de Pós-Graduação em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano pela Universidade São Paulo (USP), é referência nacional em suicidologia e na abordagem que prioriza o cuidado com quem cuida. Foi acreditando na potencialidade deste método que Dayse Miranda, cientista política e coordenadora do GEPeSP, idealizou a vinda da capacitação ao Rio de Janeiro. “Quando pensamos em prevenção ao suicídio, eu vejo que o maior desafio para qualquer profissional, seja da saúde ou de outra área, é aprender a acolher o sofrimento que vai estar diante dele na prática profissional, e isso a Karina faz como ninguém”, afirma Dayse.

O curso teve 8 horas de duração e foi dividido em duas partes. Ao todo, 40 profissionais, na maioria psicólogos, tiveram a oportunidade de experienciar um dia repleto de aprendizado técnico, mesclado com fortalecimento pessoal e autoconhecimento. No decorrer da manhã, Karina contou sua história de vida ao mesmo tempo que explicava a metodologia do curso, visto que não era possível separá-las. Como a própria psicóloga diz, seu trabalho é “visceral”, uma vez que a mesma entrou nos estudos da suicidologia por conta das seguidas tentativas de suicídio da mãe, quando ela ainda era criança. As experiências pessoais dos cursistas também serviram de exemplo para que fosse trabalhado coletivamente estratégias a serem utilizadas com os clientes em sofrimento existencial. Luciana Maria Melo, pedagoga, psicóloga e participante do curso, avalia o compartilhamento de vivências como um processo enriquecedor, principalmente para psicólogos que acabaram de deixar a universidade, como é o seu caso. “Eu estou achando fantástico o modelo do curso, justamente pela parte prática. Porque eu como recém formada, tenho medo de me deparar com essa situação e não saber lidar”, comenta.

O período da tarde foi reservado para aplicação de exercícios, em forma de dinâmica. Para Karina, este momento é essencial porque os participantes podem se sentir autênticos guardiães da vida, a partir da valorização de suas próprias histórias. Assim, cada aluno foi convidado a escrever sobre suas perdas e conquistas, acolher o sofrimento do parceiro e até mesmo gritar e dançar para sentir a energia de vida existente no corpo de cada um. Com música no pano de fundo, entre uma dinâmica e outra, choros e sorrisos eram intercalados, mas sempre com o propósito de mostrar que é possível tratar questões difíceis, de forma intimista e versátil. Segundo Michele Cristine, psicóloga e pesquisadora colaboradora do GEPeSP, esse foi o diferencial do curso. “As pessoas estão carentes de afeto. Então, há a necessidade de um acolhimento diferenciado, para além da escuta. A escuta é necessária, mas essas técnicas também são importantes. Da pessoa poder se deparar com as questões da perda, mas também com o quanto ela conseguiu superar tudo isso. Então a dinâmica me tocou muito, porque eu posso utilizar na minha clínica e nas minhas palestras.”

O fim da formação foi marcado de muita emoção. Após picar papéis para extravasar sentimentos negativos e dialogar sobre processos de superação, os participantes foram chamados a juntos limparem o local ao mesmo tempo que dançavam e agradeciam uns aos outros pela capacitação, pelo dia e pelos os ensinamentos adquiridos. Karina endossa que esse realmente é o espírito da capacitação. “A energia que gente sai desse curso faz com que a gente realmente comprove o quanto o amor cura, o quanto o afeta cura, o quanto a proximidade e o zelo pelas pessoas é o que faz a total diferença”, conclui ela. A Dra. em psicologia social Alexandra Vicente, diretora técnica do Instituto Vicente e pesquisadora colaboradora do GEPeSP, também avalia o saldo da formação como positivo. “O curso foi sensacional, superou as expectativas. Foi uma coisa diferente porque a gente costuma falar sobre suicídio com dados estatísticos e pensando no processo. Ela trouxe a questão do comportamento suicida a partir de outra perspectiva. E isso é muito interessante”, analisa.

Além do curso Manejo do Comportamento Suicida, Karina revela que tem novos planos. “Eu me tornei uma sonhadora e, felizmente, todos os meus sonhos estão se tornando realidade. Meu sonho de consumo era conseguir coordenar um curso de pós-graduação em suicidologia, que foi efetivado agora. A primeira turma começa em setembro, com o nome “Pós-graduação em Suicidologia, Processos Autodestrutivos e Luto”. Eu sinto que finalmente estão conseguindo compartilhar esta informação.” O GEPeSP também tem novos projetos. Nos dias 23, 24, 30 e 31 de maio, das 18 às 22h, será realizado o curso Prevenção e Posvenção do Suicídio. Os encontros acontecerão na nova sede do Grupo, localizada na Ladeira da Glória, 26, Bloco 3 – espaço NEX. As inscrições estão abertas e podem ser feitas clicando aqui.

A equipe do GEPeSP, em nome de todos os nossos grandes parceiros, representados pelo Instituto Vicente, agradece a Karina Okajima Fukumitsu, grande promotora deste evento, mas também a cada um que nos ajudou com o seu trabalho, nos bastidores ou na idealização. Além dos profissionais que estiveram no sábado (27) e participaram do curso buscando o conhecimento. Fiquem com o nosso carinho e até a próxima.